sábado, 22 de janeiro de 2011

Regina Casé e o Esquenta...

Quem me conhece sabe mesmo que eu gosto SIM de ver uma televisão (quem não sabia, agora vai saber), uma novelinha, aquele vuco vuco de personagens, uma trama, uma minissérie, um ‘programinha’ aqui outro ali. Não, não tenho vergonha de assumir! Também não vou aqui dizer que é certo ou errado quem não faz isso, afinal cada um faz o que quer da sua vida, não é mesmo? Não cabe a mim fazer nenhum juízo de valor.
Acredito que poder escolher é uma vantagem diante de todas as diversidades que existem na nossa sociedade. É claro, acredito ter um mínimo possível de discernimento dentro daquilo que pra mim é bom ou ruim e aí, vou escolhendo, experimentando e ‘tali coisa e coisa e tali’. Porém, nos últimos domingos tenho visto um programa numa TV aberta, comandado pela Regina Casé o qual atende pelo nome de “ESQUENTA”, que tem me deixado pensando em algumas coisas. O programa é um misto de coisas, mas pra quem ainda não viu, vou tentar fazer uma breve descrição.
O programa conta com algumas pessoas ‘fixas’ que colaboram na condução do programa além da Regina (óbviu), com um figurino sempre muito característico. Num palco ficam Arlindo Cruz (sambista e compositor) e Leandro Sapucahy (músico, produtor, cantor). Perambulando pelo cenário o ator Douglas Silva – O Acerola – faz intervenções super engraçadas se misturando sempre aos convidados. Em determinados momentos um grupo da favela Cantagalo sai dançando parecendo ter uma mola no corpo (coisa louca). Sorriso, aquele gari famoso da Sapucaí, juntamente com outros que pelo visto, são também garis, ficam num espaço dançando sempre. Uma espécie de “Ala Infantil’ fica lá sempre dançando (e pelo amor de deus, que molas). E aí, a Regina recebe convidados – estes levam pessoas de sua família que vai se misturando no programa – que são atores, músicos, cantores, profissionais de alguma área, e aí falam de preconceito sobre cor, gênero, entre outras coisas. ENFIM, UMA MISTURA INCRÍVEL.
Mas o que me deixa mexida no programa é a FORMA...exatamente isso, a forma como a Regina fala de cada convidado. Não é apenas ler a ficha com dados saídos de alguém que escreveu um texto que deve ser lido em um programa qualquer, é tudo tão carregado de sentimento, eo pessoal vai contando coisas pessoais da apresentadora, coisas vividas junto com ela e todo mundo parece ser de fato AMIGOS de verdade de Regina. E aquelas histórias vêm da vida real de alguém e vai se misturando com o programa e vai ficando engraçado e divertido de ver, alguém compartilhando seus afetos na TV (eu até posso estar enganada, mas pra mim é tudo muito real).
É claro, tem gente que não curte ‘um pagode’ e pode achar uma grande besteira tudo que eu estou comentando neste texto, pode odiar funk, pode não gostar de nada disso que aperece lá (no programa), dessa mistura e achar tudo feio e ridículo, nem mesmo pode gostar de afeto, mas não tem como negar que é um programa onde a diversidade cultural está presente de todas as formas. O Brasil é isso também, e embora muita gente ache que tudo aqui acabe em pizza e em bunda (e às vezes acaba mesmo) eu gosto é do DIVERSO. Eu andava numa pindaíba de ‘emoção’, até estava me sentindo ‘ressecada pelo tempo e por alguns fatos’ e percebi que ‘ainda tem jeito’ vendo aquilo que pra mim é real, em algumas falas e abraços. Não dá pra negar, diversidade é TUDO seja onde for, em qual região for e de que forma for! Outra coisa que não dá pra negar: cada um tem seu ‘insight’ seja também onde for e vendo o programa que for!
“Reginaaaaaa, vou te falar: me leva pro ESQUENTAAAAAAA!!!!!!!!!!”


=***

4 comentários:

A Fofoqueira S/A disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
A Fofoqueira S/A disse...

Oi Flavinha,
Gostaria do seu email de contato. Você pode me passar?
afofoqueira.sa@gmail.com

Flavinha Roberta disse...

Posso claro, te mando um email.

LOUCA PELA VIDA disse...

Amiga... tou cega. Texto bom, mas letra pequena, tou de óculos novos, não me adaptei... não leio favas. Coloca letra GRANDE,rsrs